PRECONCEITO NÃO

Não ao preconceito regional


O preconceito regional é visto através da não aceitação da cultura, costumes e nas tradições de determinada região.

Nosso país é extremamente diversificado. Isso é um fato histórico e incontestável. Aqui, desde o início da colonização muitas culturas se encontraram e se misturaram gerando diferenças que estão presentes até hoje.

O povo brasileiro formou-se a partir de três grupos étnicos: índios, negros e brancos (portugueses). Além disso, após a Independência em 1822 outros povos fixaram residência no Brasil como os italianos, espanhóis, alemães, poloneses e japoneses miscigenando ainda mais o povo brasileiro.

Dessa forma a população brasileira é caracterizada pela grande diversidade étnica, intensa mistura de raças e trocas culturais. Essa miscigenação gerou inúmeras diferenças, inclusive, regionais. O problema é que essas diferenças ocasionadas pela miscigenação dos povos, ao invés de somar e enriquecer cada vez mais a cultura do nosso país, em muitos casos, só aumentou a exclusão social servindo como base para atitudes totalmente discriminatórias. Assim muitos indivíduos rotulam e classificam os demais cidadãos de forma pejorativa.

Quem nunca ouviu dizer: baiano é preguiçoso, mineiro é caipira, carioca é desonesto, paulista é cheio de gírias de maconheiro, gaúcho é gay, cearense é cabeça chata, nordestino passa fome e brasiliense é corrupto?

Essas afirmações são as mais comuns em se tratando de preconceito regional.

Claro que tudo isso é um absurdo, infelizmente o preconceito é muito acentuado em nossa sociedade. É difícil de acreditar que em pleno século XXI ainda encontramos pessoas com atitudes preconceituosas que não sabem respeitar as diferenças existentes. E o que mais preocupa é a perpetuação desse estigma.

Nossos crianças estão crescendo nesse meio de discriminação e violência. Por isso é extremamente importante que a sociedade seja engajado na luta pela igualdade e o respeito a diferença, para no futuro se tornarem adultos responsáveis no sentido pleno da palavra, isto é, cidadãos abertos às diferenças, maduros o suficiente para reconhecer o valor da diversidade que envolve nosso país. Afinal, juntos somos mais.

Preconceito NÃO - OpenBrasil.org